- incerto


Estava muito escuro,
Abri os olhos e o coração acelerou,
Foi ali que o tempo parou,
E tudo ficou inseguro.
Aquela falta de abrigo,
Dava-me medo,
Só queria que estivesses ali comigo,
Mas sabia que isso não ia acontecer tão cedo …
A minha pele estava fria,
O nervosismo consumia a minha mente,
Nada daquilo eu percebia,
E cada segundo o coração sente.
Gritava por ti,
E o peito já doía,
Olhava para todo o lado e nunca te vi,
Por fim, havia uma voz que respondia…
Sentei-me, e as lágrimas manifestaram-se,
Os lentos passos estavam cada vez mais perto,
Ainda não sabia do que se tratava ao certo.
Focas-te o teu olhar no meu,
Limpaste-me o rosto,
E sorrindo afirmas-te que iria esquecer o que aconteceu.
Firmeza no olhar,
Segurança nas palavras,
Assim fizes-te o meu coração acalmar...



6 comentários:

  1. se achares interessante e quiseres seguir : http://raiosqueparta.blogspot.cm ... Adiante, sem ser a publicidade e tentativa que a palavra do meu blogue expande-se, pelo que pude constatar és uma pessoa empirista ... Das particularidades que li, fazem reflectir, mas não transparecem esperança... Gostei da tua sensatez .

    ResponderEliminar
  2. está liiindo ! tens imenso jeito :O

    ResponderEliminar
  3. obrigada , tambem adorei o teu, e também já sigo !

    ResponderEliminar

" Só não erra quem nada faz ! "
Abre a alma á minha pouca sabedoria , e entrega-te ao pouco ou nada que me limito a escrever . ♥